Logo Web Radio Água

Você está aqui:Início/CONTEÚDOS/MUNDO ÁGUA/Boas Práticas/Fabricação de latas com alumínio reciclado diminui em até 70% as emissões de CO2

ÁGUA E CIÊNCIA

Seg, 06 de Junho de 2016 12:09

Fabricação de latas com alumínio reciclado diminui em até 70% as emissões de CO2

Escrito por  Vacy Alvaro
Estudo analisou três diferentes cenários de produção. Estudo analisou três diferentes cenários de produção.

Em 2014, 98,4% das latas de alumínio colocadas no mercado nacional foram recolhidas e recicladas no Brasil. Os últimos dados oficiais divulgados pelo setor colocam o país como líder mundial no quesito, à frente de países como Argentina (91,1%), Japão (87,5%) e Estados Unidos (66,5%). 

E um estudo conduzido pelo Centro de Tecnologia de Embalagem (Cetea) apontou algumas vantagens deste tipo de embalagem para o meio ambiente após analisar o ciclo de vida da lata de alumínio para bebidas no Brasil. 

Segundo a pesquisa, a reciclagem da lata de alumínio para obtenção de uma nova embalagem pode proporcionar uma redução em até 70% as emissões de CO2 e 71% do consumo de energia em comparação à lata fabricada apenas com alumínio primário, aquele que é obtido a partir da extração da bauxita. 

O estudo, que foi encomendado pela Associação Brasileira do Alumínio (Abal) e pela Associação Brasileira dos Fabricantes de Latas de Alta Reciclabilidade (Abralatas), analisou diferentes cenários, conforme explica Luiz Alberto Lopes, engenheiro metalurgista e integrante do Comitê de Reciclagem da Abal

“No caso de 50% de metal reciclado e 50% de metal virgem, haveria uma redução de 35% em relação às emissões de CO2 quando comparado com o primeiro cenário (apenas metal primário), haveria um consumo de energia elétrica 36% menor, um consumo de água 33% menor, um consumo de bauxita (ou seja, a necessidade de retirada de minerais ou minérios) de menos 47% e 36% de redução na pegada de carbono. Já no cenário com 98% de metal reciclado, que é o que acontece hoje no Brasil, nós temos 70% de redução em relação às emissões de CO2, uma redução de 71% no consumo de energia elétrica, 65% de redução no consumo de água e 93% de redução no consumo de bauxita, resultando em 71% de redução do CO2 equivalente, ou seja, da pegada de carbono. Então isso mostra que as emissões atmosféricas são muito menores, bem como a redução na pegada de carbono”. 

Luiz Alberto Lopes também comentou as vantagens do alumínio e as possibilidades de crescimento do setor:

“O alumínio, justamente por sua leveza e por sua facilidade de ser trabalhado ou ser transformado, é um material que apresenta grandes vantagens na fabricação de embalagens. Aí a lata de alumínio acaba se destacando como vedete no setor. Então nós temos o setor de latas de alumínio crescendo vertiginosamente. O Brasil hoje tem uma capacidade de produção instalada da ordem de 28 bilhões de unidades anuais em 20 fábricas que estão instaladas no Brasil. O setor de produção de latas de alumínio gera 3,5 mil empregos diretos, representa um faturamento de  R$7,5 bilhões/ano, e nos últimos 15 anos houve um investimento neste setor da ordem de R$6,7 bilhões”. 

Recentemente o INMETRO criou um programa de rotulagem ambiental para atestar a sustentabilidade de produtos fabricados no Brasil. As informações podem ajudar o consumidor na hora de escolher o que vai levar para casa e também facilita a entrada dos produtos no mercado internacional. 

Última modificação feita em Seg, 11 de Julho de 2016 15:53
Avalie este artigo
(0 votos)
Vacy Alvaro

Vacy Alvaro

Jornalista/Fundação Parque Tecnológico Itaipu

Redes Sociais

  • Facebook: webradioagua
  • Linked In: webradioagua
  • Orkut: 15823632741848208134
  • Twitter: webradioagua
  • YouTube: webradioagua

Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu
Av. Presidente Tancredo Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038

 

2020 • Todos os Direitos Reservados