Logo Web Radio Água

Você está aqui:Início/BLOGS/Cientistas poderão desenvolver culturas que se adaptam à mudança climática
Sex, 16 de Dezembro de 2011 10:05

Cientistas poderão desenvolver culturas que se adaptam à mudança climática

Escrito por  Beloni Celso

por Redação Ecopolítica

210 Cientistas poderão desenvolver culturas que se adaptam à mudança climáticaCulturas que lidam com flutuações climáticas repentinas podem ser desenvolvidas em futuro breve, graças a descobertas recentes sobre os mecanismos de sobrevivência das plantas. Cientistas da Universidade de Edinburgh, que estão estudando como pequenas algas renovam proteínas velhas ou danificadas de células, dizem que suas descobertas podem ser úteis para o desenvolvimento de culturas apropriadas para climas nos quais as condições do tempo mudam rapidamente.

Eles descobriram que a velocidade em que se dá a renovação da proteína determina a rapidez com que podem se adaptar a mudanças ambientais, como geadas ou secas repentinas.

“Até agora, nós sabíamos que as plantas substituíam proteínas velhas ou danificadas, mas não tínhamos ideia quanto tempo esse processo demorava para proteínas em particular, ou como esse processo variava entre diferentes partes da planta. Nossas descobertas serão úteis para maior compreensão sobre como as plantas são programadas para sobreviver,” explica Sarah Martin do Centro de Biologia Sistêmica da Universidade de Edinburgh, que dirigiu o estudo.

As taxas de renovação variam entre proteínas de acordo com seu papel e localização nas células. Proteínas que fazem a fotossíntese – o processo que converte a luz solar em energia – renovam rapidamente, porque elas correm o risco de sofrerem danos pela luz. Já as proteínas que protegem o DNA nas  células das plantas correm pouco risco de dano e se renovam lentamente.

Essas descobertas podem ajudar a criar culturas incorporando proteínas que respondem rapidamente a condições mutáveis. Podem, também, ajudar no desenvolvimento de culturas de alta produtividade em ambientes estáveis, onde as condições demandam pouca adaptação às condições locais.

Os cientistas fizeram essas descobertas ao desenvolver um método para detectar a rapidez com que as algas absorvem nitrogênio de sua alimentação, o qual é usado para produzir proteínas. O estudo foi financiado pelo Conselho de Pesquisas em Biotecnologia e Ciências Biológicas e pelo Conselho de Pesquisa em Engenharia e Ciências Físicas, e acabou de ser publicado na Revista de Pesquisas sobre o Proteoma (“Journal of Proteome Research”).

* Publicado originalmente no site Ecopolítica.

Avalie este artigo
(0 votos)
Beloni Celso

Beloni Celso

Sou Bióloga/ Mestre em Engenharia Ambiental, docente Universitária e tutora em EAD. Acredito no desenvolvimento sustentável, voltado a uma economia que respeite os recursos naturais e que promova a igualdade social.

E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra SpamBots. Você precisa ter o JavaScript habilitado para vê-lo.

Redes Sociais

  • Facebook: webradioagua
  • Linked In: webradioagua
  • Orkut: 15823632741848208134
  • Twitter: webradioagua
  • YouTube: webradioagua

Centro Internacional de Hidroinformática | Parque Tecnológico Itaipu
Av. Presidente Tancredo Neves, 6731 | CEP 85.867-900
Foz do Iguaçu | Paraná | Brasil
+55 45 3576-7038

 

2020 • Todos os Direitos Reservados